“Autismo, não é uma doença! Vamos apoiar essa causa” por Lucas Burgatti

Discriminar uma pessoas autista é crime

A data de hoje, 2 de abril, foi especialmente escolhida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Mundial da Conscientização do Autismo. Todavia, além da conscientização, as pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) ou autismo, também, merecem todo o nosso respeito e consideração.

Transtorno do Espectro Autista (TEA) ou autismo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) ou autismo, como é popularmente conhecido, é uma condição caracterizada por um déficit no comportamento do indivíduo. Em outras palavras, a pessoa com TEA tem dificuldades em se comunicar e socializar com outras pessoas. No entanto, isso não as impedem de serem inseridas na sociedade quando há o cuidado de compreendê-las e aceitá-las como são.

Autismo não é doença!

Lucas Burgatti e Sarah

Embora, algumas pessoas autistas não compreendam o mundo que as rodeiam, o ator, Lucas Burgatti (Poliana Moça – SBT) mostrou o quanto a compreensão e aceitação são importantes para a vida delas. Principalmente, ao escolher a data de hoje para contar em suas redes sociais que sua irmã, Sarah Burgatti é autista.

Segue abaixo o post publicado por Lucas, assim como, um vídeo que é uma verdadeira declaração de amor à sua irmã Sarah.

Vídeo e texto do post do Lucas Burgatti no Instagram

“Dia mundial da conscientização do Autismo”

É o dia que eu escolhi para contar oficialmente a vocês que a minha irmãzinha @sarahburgatti é autista.

Eu, como irmão de uma criança com autismo, em nome de toda a família Burgatti e das famílias de autistas, peço a todos vocês que ajudem nessa causa.

Vamos juntos combater o preconceito, aumentar a conscientização e principalmente aceitar, respeitar e entender essas pessoas, crianças e adultos do espectro, que muitas vezes sofrem com a falta de conhecimento da maioria das pessoas.

Muitas famílias lutam sem recursos para as terapias, sem apoio do governo, sem condições financeiras para os cuidados necessários para ajudar no desenvolvimento e na potencialidade dessas crianças.

O Autismo afeta 1 entre 44 crianças, e esse número tende a crescer cada vez mais. Vamos junto nessa causa?

Conto com todos vocês, meus queridos fãs e seguidores! Por um mundo mais AZUL, com menos preconceito e mais inclusão, mais amor e mais recursos tanto para as terapias de apoio para as famílias, quanto para as pesquisas científicas.

Direitos das pessoas com autismo

De antemão, as pessoas com TEA muitas vezes sofrem estigmatização e discriminação. A inclusão social dessas pessoas fica prejudicada devido a pouca, ou, à falta de informação. Logo, elas ficam reduzidas à sua condição, tornando-as incapazes e dependentes. Além disso, também existe a intolerância com a qual muitas são tratadas.

Segundo a lei 13.146 de 06/07/2015, criada para promover igualdade de direito e liberdade para pessoas com deficiência, é crime todo e qualquer ato de preconceito e discriminação relacionado à pessoa com deficiência. Portanto, isso inclui a pessoa com autismo, também.

Veja o que diz o Artigo 88

Art. 88. Praticar, induzir ou incitar discriminação de pessoa em razão de sua deficiência:

Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

§ 1o Aumenta-se a pena em 1/3 (um terço) se a vítima encontrar-se sob cuidado e responsabilidade do agente.

§ 2o Se qualquer dos crimes previstos no caput deste artigo é cometido por intermédio de meios de comunicação social ou de publicação de qualquer natureza:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.

Em conclusão, as pessoas autistas têm direito de serem quem são. Ainda que, elas tenham dificuldade em interagir com a comunidade, isso não as tornam sem importância e devem ter seus direitos e dignidades respeitados. Sendo assim, quem causar problemas para um autista, deve responder segundo a lei.

Discriminação é crime!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.